Sexo durante a gravidez não induz o parto, aponta estudo

Apesar das crenças populares de que fazer sexo durante os estágios mais avançados da gravidez podem antecipar o parto, um novo estudo conduzido por pesquisadores da Malásia afirma que manter relações sexuais não afeta a duração do período de gestação.

“Estamos desapontados. Não encontramos nada que sustente a associação”, disse Tan Peng Chiong, professor de obstetrícia e ginecologia da Universidade de Malaya e um dos autores do estudo. “Teria sido legal para os casais ter algo seguro e efetivo com que pudessem contar para antecipar o trabalho de parto se quisessem”, completou.

Tan disse que a maioria das mulheres acredita que o sexo pode induzir ao parto, enquanto cientistas propuseram uma série de explicações biológicas plausívels para embasar a crença. Uma delas aponta que o semem contém uma substância hormonal chamada prostaglandina, que é usada para estimula o trabalho de parto a forma sintética. Outra indica que o orgasmo ativa contrações uterinas.

Para ele, porém, a crença provavelmente nasceu da “perpecpção popular de que sexo na gravidez pode ser inseguro para o feto e causar sua ‘expuslão’, apesar de todas as evidências provando o contrário.” Mas poucos trabalhos pesquisaram se o sexo realmente pode induzir ao parto e as poucas evidências existentes são inconclusivas, afirmaram Tan e seus colegas no BJOG, publicação científica da área da ginecologia.

“A indução ao parto em gestações prolongadas é comum e muitas mulheres ficam tentadas por uma série de razões a querer encurtar o período de gravidez nos estágios mais avançados”, completou Tan.

O estudo analisou 1,1 mil mulheres grávidas de 35 a 38 semanas (a gravidez geralmente dura 40 semanas) que não haviam mantido relações sexuais nas últimas 6 semanas. Cerca de metade delas ouviu do médico que manter a vida sexual ativa ajudaria a induzir o parto, enquanto a outra parte ouviu que sexo durante a gestação é seguro, mas seus efeitos não eram conhecidos.

Os pesquisadores monitoraram as mulheres para determinar quanto a gravidez durou e se foi necessária a intervenção médica para o parto. Eles descobriram, então, que 85% das foram aconselhadas a fazer sexo seguiram a indicação médica, enquanto as que não foram estimuladas também mantiveram relações.

Os índices de partos induzidos foram similares em ambos os grupos – 22% entre as que receberam conselhos, e 20,8% entre as que não receberam. A diferença, dizem os pesquisadores, é tão pequena que pode ter ocorrido ao acaso. A gravidez durou uma média de 39 semanas para ambos os grupos.

Jonathan Schaffir, professor da Escola de Medicina da Universidade do Estado de Ohio (Estados Unidos), disse que as descobertas são um bom indício científico de que o sexo não antecipa o parto. Ele acrescentou que o estudo indica que não há riscos em manter relações durante a gestação. “Mesmo que esse estudo não mostre nenhum aumento ou diminuição na taxa de indução de parto, ajudou a embasar a ideia de que fazer sexo é seguro”, concluiu.

FONTE: http://www.estadao.com.br/noticias/vidae,sexo-durante-a-gravidez-nao-induz-o-parto-aponta-estudo,963585,0.htm

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s